Após golpe em Mianmar, deslocados no país superam 1 milhão

Os deslocados pelo golpe se somam a outros grupos deslocados pela violência no país

Após a queda do governo de Aung San Suu Kyi, em 2021, o número de deslocados em Mianmar já superou 1 milhão de pessoas, de acordo com informações divulgadas pelo Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), nesta terça-feira,1.

Pelo menos 700.000 pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas em Mianmar desde a queda do governo, no ano passado, e o início de combates armados entre milícias civis, que lutam contra o golpe, e a junta militar. Os conflitos, segundo a organização, já destruíram cidades inteiras e levaram a execuções em massa e ataques aéreos contra civis.

Os deslocados pelo golpe se somam a pelo menos 346.000 deslocados no país, entre eles as pessoas afetadas por conflitos de longa duração com grupos rebeldes na fronteira de Mianmar com Tailânda e China e os muçulmanos rohingyas, obrigados a abandonar suas casas durante uma repressão brutal em 2017.

De acordo com a OCHA, cerca de 12.000 propriedades civis foram queimadas ou destruídas desde o golpe, e as chuvas de monção ameaçam aumentar a miséria para os que vivem nos acampamentos de deslocados pelo país. Segundo a organização, pelo menos 300.000 dos deslocados pelo golpe são da região noroeste de Sagaing, onde acontecem conflitos constantes.

Desde o golpe, mais de 1.800 pessoas morreram e mais de 13.000 foram detidas na repressão da junta, segundo uma ONG local.

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados