As 10 crises de deslocados mais negligenciadas estão na África, afirma ONG

Liderando a lista, a República Democrática do Congo tem mais de 5,5 milhões de deslocados internos

A lista das dez crises de deslocamentos mais negligenciadas no mundo, publicada na quarta-feira, 1, pela ONG Conselho Norueguês dos Refugiados (NRC, na sigla em inglês), demonstrou que, pela primeira vez, todas as dez estão no continente africano.

A organização afirma que, apesar de não ser novidade que existam países africanos no topo da lista, o fato de todos os componentes serem do continente africano deve servir de exemplo para a necessidade de maior atenção a essas crises. “Por exemplo, a crise na República Democrática do Congo (RDCongo) tornou-se um exemplo clássico de negligência, aparecendo nesta lista seis vezes seguidas”, afirma a organização.

Ocupando o primeiro lugar na lista, a região nordeste da RDCongo está imersa em conflitos étnicos e, desde novembro de 2015, tem sido observado um aumento nos ataques a campos de deslocados internos, que já ultrapassam 5,5 milhões de pessoas. Além disso, o país enfrenta uma grave crise alimentar, que afeta 27 milhões de pessoas por todo o país, o equivalente a um terço da população.

Junto com a RDCongo, a lista apresenta também as crises em Burkina Faso, Camarões, Sudão do Sul, Chade, Mali, Sudão, Nigéria, Burundi e Etiópia. Para a organização, essas crises são agravadas ainda mais pela pouca cobertura da mídia internacional, além da falta de liberdade de imprensa presente em muitos países africanos.

Segundo o NRC, “o baixo nível de financiamento limita a capacidade das organizações humanitárias de fornecer ajuda humanitária adequada e de fazer um trabalho eficaz de advocacia e comunicação para essas crises, criando um círculo vicioso.”

A exemplo da crise na Ucrânia, que despertou uma onda de solidariedade, a ONG pede que o mesmo seja feito para os países que aparecem na lista. No entanto, o NRC afirma que diversos países doadores estão redirecionando suas doações para a resposta à guerra na Ucrânia. “É uma receita para o desastre”, afirma, “e será sentida em primeiro lugar por pessoas cujos nomes não conhecemos e cujas histórias não foram contadas.”

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
dezembro 2022
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados