Autoridades da Tunísia interceptam 255 migrantes a caminho da Itália

Somente em 2022, cerca de 40.000 pessoas já entraram na Itália pelo mar

Entre os dias 5 e 6 de agosto, a Guarda Costeira da Tunísia interceptou 255 migrantes, incluindo 170 da África subsaariana e 85 tunisinos, que tentavam chegar até a Itália, afirmou um comunicado do órgão.

Os migrantes estavam em 17 embarcações encontradas pelas patrulhas e tiveram como ponto de partida “a costa leste da Tunísia”, com destino às costas italianas, segundo o porta-voz da guarda, Houcem Eddine Jebabli, citado no comunicado de imprensa.

Uma quantia de dinheiro em moeda estrangeira não especificada foi também apreendida pelas autoridades, segundo o responsável, que acrescentou que, na sexta-feira, 5, a guarda nacional deteve, “numa operação preventiva”, cinco pessoas que “se preparavam para realizar uma operação de migração irregular a partir da costa da província de Sousse, no leste do país”.

Em 18 de julho, a guarda costeira da Tunísia anunciou ter resgatado 455 migrantes — 289 da África subsaariana e os demais tunisinos — em várias operações realizadas nas costas norte, leste e sul do país.

Na primavera e no verão, quando o mar fica mais calmo, com melhores condições de navegação, o número de tentativas de migração irregular pelo Mediterrâneo para a Europa tende a aumentar.

A Itália é um dos principais pontos de entrada na Europa para migrantes do norte da África, vindos principalmente da Tunísia e da Líbia, dois países de onde as saídas para a Europa voltaram a aumentar nos últimos dois anos.

Entre 01 de janeiro e 22 de julho de 2022, cerca de 40.000 pessoas chegaram por via marítima à Itália. Em 2021, foram registradas 25.500 chegadas no mesmo período, segundo o Ministério do Interior italiano.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
outubro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados