Exposição “Acolhidos” retrata percurso de venezuelanos até sua integração no Brasil

A mostra traz fotografias e relatos, que contam histórias reais da migração venezuelana para o Brasil

A exposição “Acolhidos: o percurso da Venezuela à integração no Brasil” chega em São Paulo nesta sexta-feira, 27, e ficará em exibição até o dia 26 de junho, mês em que é comemorado o Dia do Refugiado, na Sede do Banco do Brasil em SP (Torre Matarazzo). A mostra destaca, a partir de histórias reais, o percurso de pessoas que atravessaram a fronteira com a Venezuela em Roraima.

O acervo é assinado pelo fotógrafo italiano Antonello Veneri, que reside no Brasil há doze anos, e cruzou a fronteira com a Venezuela para registrar o trajeto de diversas famílias, desde suas chegadas em Boa Vista e Pacaraima, em Roraima, principal ponto de entrada dessa população no Brasil, até chegarem em cidades como Brasília, no Distrito Federal, que recebem grupos de refugiados para atuarem no mercado de trabalho por meio da iniciativa de interiorização do Governo Federal.

De acordo com estimativas do governo brasileiro, mais de 670 mil pessoas refugiadas e migrantes da Venezuela entraram no Brasil desde 2017, sendo que cerca de 300 mil permanecem no país. “Ao visitar a exposição, o público acompanha a história de uma viagem carregada de sentimentos, de dignidade e de muita esperança. Mas, mais do que isso, a mostra permite algo ainda mais profundo e intenso, que é a experiência de olhar e ser olhado, por meio dos retratos”, afirma Veneri.

O artista, que diz gostar da troca experimentada na exposição, afirma que, dentro das viagens empreendidas no atual período de grandes migrações que o mundo vive, estão os rostos que marcam através das fotografias, retratos e relatos expostos. “Me permito dizer que há também a minha história de migrante acolhido pelo Brasil, neste percurso”, revela o artista, que realizará visitas guiadas exclusivas pela mostra nos dias 27, 28 e 29 de maio, das 10h às 12h e das 15h às 17h, por ordem de chegada.

Em 2021, a exposição passou pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Brasília e contou com público de 15 mil pessoas. Em São Paulo, a exposição integra o calendário cultural do CCBB SP e estará aberta ao público de 27 de maio até 26 de junho, todos os dias da semana (das 8h às 20h), e também aos sábados, domingos e feriados (das 10h às 18h), no edifício do Banco do Brasil (avenida Paulista, 1230). O evento é gratuito e a classificação etária é livre.

Acolhidos por meio do trabalho
A mostra “Acolhidos: o percurso da Venezuela à integração no Brasil” tem a curadoria de Benedetta Fontana e faz parte do projeto social Acolhidos por meio do trabalho, implementado pela Associação Voluntários para o Serviço Internacional Brasil (AVSI Brasil), com recursos financiados junto ao Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do governo dos EUA, com a parceria do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), das Missionárias Scalabrinianas.

Desde que foi implementado, o Acolhidos por meio do trabalho já intermediou a interiorização de 1.700 venezuelanos, para integração laboral, de Roraima para nove estados brasileiros, incluindo o Distrito Federal. Cada pessoa contratada pode levar seus familiares para a cidade de acolhida e contam com acompanhamento social e moradia nos três primeiros meses após a contratação. O projeto também atua com a população brasileira em situação de vulnerabilidade, com capacitações profissionais e a inserção no mercado de trabalho.

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados