Grécia bloqueou a entrada de 150 mil migrantes em 2022, diz governo

A Grécia é acusada de empurrar barcos de migrantes para fora de suas águas territoriais

De acordo com anúncio feito pelo Ministro da Migração e Asilo da Grécia, Notis Mitarakis, no domingo, 04, a Grécia bloqueou, desde o início de 2022, 154.102 migrantes em suas fronteiras marítimas e terrestres. A Grécia é acusada de empurrar migrantes para fora de suas águas territoriais, negando asilo.

De acordo com Mitarakis, “só em agosto, 50.000 imigrantes ilegais tentaram entrar na Grécia”. No mês passado, a Grécia anunciou que irá estender a cerca na fronteira terrestre com a Turquia ao longo do rio Evros, que atualmente tem 40 km, para 80km.

O controle de fronteiras é considerado uma das principais prioridades do governo conservador grego, que está no poder desde 2019 e busca ser reeleito no próximo ano.

A Grécia tem sido criticada por empurrar barcos de migrantes para fora de suas águas territoriais e, em consequência, colocar a vida deles em perigo, os impossibilitando de pedir asilo. A Grécia nega o envolvimento na deportação ilegal de migrantes e acusa a Turquia de forçá-los a cruzar a fronteira.

Recentemente, um barco com cerca de 80 migrantes afundou no mar Egeu, dos quais 29 foram resgatados, deixando cerca de 50 pessoas desaparecidas.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
outubro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados