Guarda Costeira italiana resgata mais de 1.000 migrantes no Mediterrâneo

Pelo menos 77.300 migrantes já entraram na Itália pelo Mediterrâneo em 2022

A Guarda Costeira da Itália informou na quarta-feira, 26, que resgatou mais de 1.000 migrantes de dois barcos de pesca no Mediterrâneo durante a noite. Durante as operações, dois corpos foram recuperados.

As duas operações aconteceram ao largo da costa de Siracusa, na Sicília. As ações seguiram um alerta de terça-feira, 25, do Alarm Phone, um grupo que administra uma linha direta para migrantes que precisam de resgate.

O primeiro barco resgatado estava a cerca de 50 km da costa da Sicília. Um navio da guarda costeira italiana resgatou 416 migrantes, enquanto um navio patrulha espanhol que trabalhava com a Frontex resgatou outros 78. Do segundo barco de pesca, que estava a cerca de 100 km da costa, foram resgatados outros 663 migrantes e dois corpos de migrantes mortos na travessia por navios italianos.

Na terça-feira, a nova primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, prometeu impedir a passagem de migrantes em barcos, em seu primeiro discurso ao parlamento. Meloni disse que seu governo, deseja “parar as partidas ilegais e acabar com o tráfico de pessoas”, impedindo partidas de barcos migrantes da Líbia.

Dois navios humanitários que operam no Mar Mediterrâneo, o navio Humanity 1 da SOS Humanity e o Ocean Viking da SOS Mediterrâneo, estavam, na terça-feira, transportando cerca de 300 migrantes após vários resgates.

No entanto, o novo ministro do Interior de Meloni, Matteo Piantedosi, disse que os navios “não estavam alinhados com o espírito das regulamentações europeias e italianas” sobre a segurança na fronteira, e que estava considerando proibir sua entrada em águas italianas. Piantedosi tem laços estreitos com Matteo Salvini, que atualmente está sendo julgado por bloquear migrantes no mar em 2019, durante sua passagem como ministro do Interior.

De acordo com dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), pelo menos 77.300 migrantes já chegaram à Itália pelo Mar Mediterrâneo em 2022. Desde o início do ano, pelo menos 1.579 migrantes já morreram ou desapareceram no Mediterrâneo ao fazer a travessia, mas o número pode ser muito maior.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
novembro 2022
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados