Papa diz que mortes de migrantes no Mediterrâneo são “inaceitáveis” e pede soluções

Desde janeiro, mais de 1.800 migrantes morreram ou desapareceram no Mediterrâneo

O Papa Francisco afirmou em uma mensagem divulgada nessa sexta-feira, 02, que as mortes de migrantes no Mediterrâneo são “inaceitáveis e quase sempre evitáveis”, pedindo aos formuladores de políticas públicas da região para abordar a questão de uma maneira “benéfica para todos”. A mensagem foi divulgada na VIII Conferência Roma Med – Diálogos do Mediterrâneo.

Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), pelo menos 1,838 migrantes morreram ou desapareceram ao tentar cruzar o Mediterrâneo desde o início do ano. Em 2021, foram 3,231 mortes ou desaparecimentos registrados na região.

O pontífice, filho de imigrantes italianos na Argentina, defende constantemente os direitos dos migrantes e tem criticado a forma como o Mediterrâneo se transformou em um “vasto cemitério”, devido ao número de naufrágios de barcos de migrantes sem sobreviventes na região. “Todos nós devemos nos tornar cada vez mais conscientes de que o grito do nosso planeta abusado é inseparável do grito da humanidade sofredora”, disse Francisco na mensagem.

Ressaltando que “a migração é essencial para o bem-estar” da Europa, Francisco afirma que esta “não pode ser interrompida” e exorta o interesse comum dos países europeus em “encontrar uma solução global para os vários aspectos e as exigências certas, que seja benéfica para todos, que garanta tanto a dignidade humana como a prosperidade partilhada”.

Nos últimos anos, a imigração tem sido uma das maiores polêmicas na Europa, com os governos recorrendo a políticas cada vez mais duras para tentar conter o fluxo de migrantes e requerentes de asilo da África e do Oriente Médio, que em grande parte chegam em barcos pelo Mar Mediterrâneo.

Recentemente, o governo italiano recusou a entrada de um navio de resgate de migrantes em seus portos. A embarcação, com 234 migrantes a bordo, foi obrigada a viajar até a França, após cerca de 15 dias no mar, causando conflitos entre os dois governos.

De acordo com dados do ACNUR, mais de 136 mil migrantes já chegaram à Europa pelo Mar Mediterrâneo em 2022, dos quais mais de 94 mil desembarcaram na Itália. Em 2021, foram registradas 123.138 chegadas de migrantes pelo Mediterrâneo.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2023
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados