Papa Francisco exorta o mundo a acolher os refugiados na Bênção Urbi et Orbi

Papa ainda pediu pelo fim dos conflitos na Ucrânia, Síria, Terra Santa e em outras partes do mundo

No domingo, 25, ao entregar a Mensagem de Natal e Bênção Urbi et Orbi, o Papa Francisco pediu que o mundo se lembre dos refugiados e deslocados “que batem à nossa porta à procura de conforto, calor e alimento”. O Pontífice ainda exortou a todos que “vençamos o torpor do sono espiritual e as falsas imagens da festa que fazem esquecer Quem é o Festejado”, para contemplar o verdadeiro significado do Natal.

Queridos irmãos e irmãs, hoje como há dois mil anos Jesus, a luz verdadeira, vem a um mundo achacado de indiferença – uma doença feia -, indiferença que não O acolhe (cf. Jo 1, 11); antes, rejeita-O como acontece a muitos estrangeiros, ou ignora-O como fazemos nós muitas vezes com os pobres. Hoje não nos esqueçamos dos numerosos deslocados e refugiados que batem à nossa porta à procura de conforto, calor e alimento. Não nos esqueçamos dos marginalizados, das pessoas sós, dos órfãos e dos idosos que correm o risco de acabar descartados, dos presos que olhamos apenas sob o prisma dos seus erros e não como seres humanos.

O Santo Padre destacou, ainda, a tristeza de que, enquanto nos é dado o Príncipe da paz, ventos de guerra continuam a soprar, gelados, sobre todo o mundo. Ele pediu que, para contemplar o verdadeiro Natal, voltemos o olhar para “todas aquelas crianças que, em todo o mundo, anseiam pela paz”.

Francisco lembrou a guerra na Ucrânia, que já causou 7,8 milhões de refugiados na Europa, pedindo que lembremos de nossos irmãos e irmãs ucranianos que vivem este Natal na escuridão, no frio ou longe de suas casas, devido à destruição causada pela guerra, que já dura dez meses. “O Senhor nos torne disponíveis e prontos para gestos concretos de solidariedade a fim de ajudar todos os que sofrem, e ilumine as mentes de quantos têm o poder de fazer calar as armas e pôr fim imediato a esta guerra insensata!”, pediu o Papa.

O Pontífice ainda lembrou dos conflitos na Síria, “ainda martirizada por um conflito que passou para segundo plano, mas não terminou”, e na Terra Santa, “onde nos últimos meses aumentaram as violências e os confrontos, com mortos e feridos”. Francisco exortou a todos que peçamos ao Senhor para que, “na terra que O viu nascer”, seja retomado o diálogo e a confiança mútua entre israelenses e palestinos.

Francisco ainda lembrou das comunidades cristãs do Oriente Médio, pedindo que se possa viver, nesses países, “a beleza da convivência fraterna entre pessoas que pertencem a crenças diferentes”. Ele ainda suplicou a Deus que possa ajudar o Líbano, que enfrenta uma grave crise, “para que possa, finalmente, erguer-se com o apoio da Comunidade Internacional e com a força da fraternidade e da solidariedade”.

O Santo Padre ainda lembrou dos conflitos no Sahel, Iêmen, Mianmar e Irã, pedindo que a luz de Cristo ilumine a região do Sahel, onde a convivência pacífica entre povos e tradições é dificultada pela violência e “encaminhe para uma trégua duradoura no Iêmen e para a reconciliação no Mianmar e no Irã, para que cesse completamente o derramamento de sangue”.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
fevereiro 2023
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados