Refugiados rohingya recordam cinco anos de repressão em Mianmar

Cerca de 1 milhão de rohingya estão refugiados em Bangladesh atualmente

Em agosto de 2017, uma onda de violência forçou mais de 700 mil rohingyas a fugirem de suas casas em Mianmar e procurar abrigo em Bangladesh. Na quinta-feira, 25, milhares deles se manifestaram para marcar os anos de repressão.

Com faixas e slogans, a comunidade, que é em maior parte muçulmana, se reuniu em Cox’s Bazar, o maior campo de refugiados do mundo, para marcar o quinto aniversário do massacre, o qual eles consideram como “genocídio”. Oficialmente, os rohingya não são reconhecidos como minoria em Mianmar e são discriminados há décadas.

Por conta da repressão contra os rohingya em Mianmar, que os impede de ter direito à cidadania em seu próprio país, cerca de 1 milhão de refugiados vive em condições insalubres nos campos de Cox’s Bazar e Bahsan Char, em Bangladesh. Além desses, pelo menos outros 400 mil fugiram para outros países.

Uma vez que a violência e a repressão contra essa população continuam em Mianmar, eles não têm condições seguras de retornar a suas casas. Segundo a alta comissária de direitos humanos da ONU, Michele Bachelet, a “catástrofe de direitos humanos em Mianmar continua piorando”, com os militares mantendo operações no sudeste, noroeste e outras regiões.

Segundo o ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, pelo menos 150 mil rohingyas estão deslocados internamente em Mianmar, vivendo em campos na região de Rakhine. Cerca de outros 400 mil vivem em vilas onde sofrem com restrições de mobilidade, o que prejudica ou impede o acesso a saúde e educação.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
outubro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados