Refugiados ucranianos ultrapassam os 6,8 milhões

Número total de deslocados pela guerra chega a 15 milhões

De acordo com informações divulgadas pelo ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, pelo menos 6,8 milhões de ucranianos estão refugiados em outros países. Além desses, pelo menos 8 milhões de pessoas estão deslocadas dentro da Ucrânia.

Os novos números divulgados pela agência demonstram que pelo menos 15 milhões de pessoas foram obrigadas a se deslocar, internamente ou internacionalmente, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro. O número equivale a um terço da população ucraniana.

Além disso, pelo menos 2,2 milhões de ucranianos retornaram ao país, de acordo com o ACNUR, que esclarece que esse movimento não pode ser considerado como um fluxo estável de retornos ao país, uma vez que muitas das pessoas realizam viagens de ida e volta, para visitar familiares ou verificar a situação de suas propriedades.

De acordo com a agência, desde o início da guerra, a Polônia já recebeu pelo menos 3,6 milhões de refugiados ucranianos, que ficaram no país ou viajaram para outros locais. Cerca de 1 milhão chegou à Romênia e outros 970.000 foram para a Rússia, com números que consideram também os migrantes que apenas passaram pelos países para chegar a outros.

Em abril, quando a guerra completou dois meses, uma estimativa da ONU calculou que pelo menos 8 milhões de pessoas ficarão refugiadas por causa dos conflitos.

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados