Sahel tem 5 milhões de deslocados e número deve aumentar, diz ACNUR

Região é afetada por ataques terroristas e por problemas climáticos

De acordo com dados divulgados pelo ACNUR, Agência da ONU para os Refugiados, na sexta-feira, 15, o número de deslocados na região africana do Sahel é de quase 5 milhões de pessoas. Segundo a agência, este número deve aumentar por causa de ataques terroristas e de conflitos comunitários, situação agravada pelo aquecimento global.

De acordo com Filippo Grandi, Alto-Comissário do ACNUR, o país mais afetado neste momento pela crise humanitária é o Burkina Faso. Grandi esteve em vários campos de refugiados do Chade na última semana, que acolhem mais de um milhão pessoas obrigadas a fugir de suas casas.

Segundo comunicado do ACNUR, em junho “a região do Sahel já enfrentava uma grave crise humanitária prolongada, que obrigou 4.820.871 pessoas a fugir de suas casas”. De acordo com Grandi, há dois anos foram registrados 500.000 deslocados no Mali e Burkina Faso. Segundo ele, a crise “deve-se à ação de grupos armados que aterrorizam as populações, esvaziam aldeias e empurram as pessoas para as grandes cidades.”

Segundo o diplomata, a emergência climática também afeta as populações, que migram em busca de recursos e para fugir da violência causada por conflitos por água e locais de pasto e cultivo.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
novembro 2022
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados