“Voz levantada em defesa da vida humana”, afirma Santa Sé sobre reações a fala de Francisco

A Santa Sé emitiu um comunicado em resposta às recentes polêmicas sobre as palavras de Francisco na Audiência geral de 24 de agosto

Um comunicado emitido pela Santa Sé nesta terça-feira, 30, responde às polêmicas que surgiram após as palavras de Francisco na Audiência Geral de quarta-feira, 24, quando falou sobre o atentado na Rússia no qual perdeu a vida a filha de Dughin. No texto, a Santa Sé reafirma as constantes falas de Francisco em prol da paz e solidariedade com o povo ucraniano.

“Penso naquela pobre jovem, em Moscovo, que foi para o ar por causa de uma bomba que estava debaixo do assento do carro”, disse o Papa Francisco durante a Audiência Geral do dia 24. A fala despertou reações polêmicas no âmbito político e institucional da Ucrânia, às quais hoje a Santa Sé responde que a fala do pontífice deve ser entendida como uma voz que defende a vida, não como posição política.

A declaração da Santa Sé afirma que, durante a guerra na Ucrânia, que já dura seis meses, “são várias as intervenções do Santo Padre Francisco e seus colaboradores a este respeito”, com o objetivo de promover a solidariedade e a paz.

O comunicado divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé ressalta que, “em mais de uma ocasião, assim como nos últimos dias, surgiram discussões públicas sobre o significado político a ser atribuído a essas intervenções. Nesse sentido, reitera-se que as palavras do Santo Padre sobre esta questão dramática devem ser lidas como uma voz levantada em defesa da vida humana e dos valores ligados a ela, e não como posição política.”

“Quanto à guerra em larga escala na Ucrânia, iniciada pela Federação Russa, as intervenções do Santo Padre Francisco são claras e unívocas em condená-la como moralmente injusta, inaceitável, bárbara, insensata, repugnante e sacriléga”, conclui o comunicado da Santa Sé.

A guerra na Ucrânia, que foi iniciada em 24 de fevereiro, já fez mais de 6.8 milhões de refugiados em toda a Europa, de acordo com a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR). Ainda segundo a ONU, pelo menos 13 mil civis já teriam morrido em decorrência dos ataques.

Por Amanda Almeida, da Equipe de Comunicação Virtual

Compartilhe esta informação. É muito importante.

As pessoas também estão lendo:

AGENDA DE PUBLICAÇÕES
outubro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Irmãs Scalabrinianas

Estão presentes em muitos países do mundo.
Para melhor exercer sua missão, a Congregação divide-se em províncias/regiões de missão.
 
Nestes espaços, as irmãs se dedicam à missão que aceitaram realizar, comprometendo-se com a vida, especialmente dos que mais sofrem, dos migrantes, dos refugiados.
 
São mulheres que escolheram seguir o chamado de Deus, confiando-lhes uma linda e importante missão na igreja.

Siga-nos

Mais recentes no site

Conheça o trabalho das Irmãs Scalabrinianas com migrantes e refugiados